sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Minha flor do deserto



Eu queria ver a noite estrelada. Há muito tempo eu não vejo noites estreladas. Nem sem estrelas. Nem noites. Um torpe dirá: "Olhe para o céu neste momento, e verás... ". Sobriamente eu responderei: "Tens razão...". Serei parcimoniosa com minhas palavras. Os tolos vêem com os olhos, nunca entenderão sobre minhas noites estreladas. Mas de certo que não as vejo ainda que olhe para o céu, elas não estão... elas não são.
Mas eu vejo algo além do oceano, não com meus olhos, mas com minha pele, onde toca a brisa do mar. O vento sopra a areia em meus olhos, areia de um lugar distante. É lá onde eu estou. Vagando, como um nômade, pelo deserto. Ele está onde não se pode encontrar. Mas eu vejo suas dunas castanhas, sinto o cheiro da areia, amargo o castigo do sol. O vento ainda sopra a areia, que dança pelo deserto. A areia é o tempo. As imensas dunas me provam que é tempo demais. Há quanto estou vagando pelo deserto? Aqui é sempre dia. E é sempre dia da dança do tempo. Mas é tempo de partir. É tempo de buscar, e o que eu busco é a vida. No deserto a vida é o oasis. Agora sigo, não sei quantas dunas ainda virão. Quero encontrar e contemplar a minha flor do deserto, e ela retornará ao seu verdadeiro lugar, em minha alma . E quando findar minha jornada já não será eternamente dia. E eu verei a noite. E as estrelas!

15 comentários:

David disse...

O texto é perfeito em seu sentido poético, gostei muito ao lê-lo, adoro divagar em textos assim, porque me fazem sentir bem! =)

asadebaratatorta disse...

Parabéns pela iniciativa. ;D
Texto forte e seguro. ^^

Esperarei pelas coisas entranhadas que eu tanto gosto!

;*

Lailah disse...

sim, as coisas estranhadas... mas também há dias de felicidade!

reaf disse...

Se garante muuuuuuuuito essa Leila!! Achei mto bom teu texto, sem onda!! Se não conseguir um emprego de programadora, já sabe oq fazer da vida neh ahueahuaeheau =D

Lailah disse...

hauehuiaheiuaheuieahiuahe
tinha que ter essa piada infame!

João Paulo Sabino de MOraes disse...

Parabéns Leila!
Ótimo texto, bela poesia!
Ler palavras q traduzem sentimentos tão profundos me fazem resgatar bons pensamentos e boas lembranças!

Lailah disse...

obrigada :)
isso que eu escrevi retrata a minha vida, mas n impede que outras pessoas leiam e vejam suas vidas aí tb!

Breno do Vale disse...

Por mais que eu odeio plágios, um dia um ser humano qualquer disse que não se pode fazer uma jornada à felicidade, pq a felicidade está na jornada.
Ou algo parecido.

Aprecie as dunas, pois o vento move-as o tempo todo. Nunca verás duas iguais.

Lailah disse...

a flor do deserto não é a felicidade...

Breno do Vale disse...

E quem disse que é?

Lailah disse...

só estou informando! pelo menos, minha flor do deserto não é...

Nando disse...

Também gostaria de ver as estrelas da mesma maneira que eu via, Tomara que tenha sucesso na sua busca. E eu na minha também, rsrsrsr, beijos, te amo, nando

Luísa disse...

lembrei da flor do pequeno príncipe,"o essencial é invisível aos olhos", logo é preciso enxegar com os olhos da alma...te amo bjos

Nina disse...

Arrasou!!

Draconian Devil disse...

É interessante ver nos vossos escritos tantas nuances delicadas entrelaçadas na mais absoluta intensidade, por certo ninguem vê as vossas estrelas, pq cada alma possui um proprio objeto de paixão que aos olhos brilham, e que toca o peito!
Intrinsecamente todos nos vagamos em busca de alguma coisa...
Entendo vossa essencia como passional, porém a forma expressa em vosso genio é sutil e branda, apesar de uma ânsia tao tempestuosa!

um beijo!